Paisagismo e Jardinagem: A Palmeira Real

Publicidade:

Quem já não andou por um belo jardim, e caminhou entre espaços notadamente enfeitados por belas palmeiras? Estas árvores que encantam por seu charme e imponência são pertencentes a família das arecaceae, também nomeadas por palmae ou palmaceae da ordem botânica da arecales. São plantas mais tipicamente reconhecidas como coqueiros e tamareiras, as quais abrangem uma quantidade de subespécies de mais de 2500 tipos distintos.

As palmeiras reais são encontradas no mundo inteiro, mas com centralizações nas regiões tropicais e subtropicais. Trata-se de uma planta que tem origem australiana, mas muito conhecida e utilizada aqui no Brasil, em especial por ser uma árvore altamente ornamental. Elegante, de porte altivo, as palmeiras reais chegam a medir entre 15 a 20 metros de altura, com um diâmetro de até 20 centímetros em seu caule.

De folhas pinadas, longas, curvadas, rígidas, acuminadas e muito verdes, se distinguem das demais de sua espécie por conta de seus folíolos lancoelados. É da palmeira real que se produz também um excelente palmito, muito consumido no mundo inteiro, por conta de sua altíssima qualidade.

Publicidade:

A inflorescência surge sempre embaixo do próprio palmito, e chega a possuir cerca de 1 metro de comprimento. Ela é do tipo espádice, pendente, e dividida em diversas ramificações muito fortes. A espata esverdeada se desprende da planta quando se dá o amadurecimento das flores, as quais costumam ser de colorações brancas e violáceas. Os frutos produzidos pela palmeira real são conhecidas como drupas esféricas, que atraem diversos passarinhos que se encarregam de fazer a polinização.

Para ornamentação e paisagismo, podem ser usadas com exemplar único ou agrupadas, sendo que esta última forma é a mais apreciada pelas pessoas. Caso haja uma área onde se possam plantar diversos exemplares, a palmeira real dá um tom muito belo e charmoso ao ambiente.

Estas árvores gostam de sombra, quando ainda são jovens, e mais maduras apreciam o sol pleno. Se adaptam a solos férteis e bem drenados, e que preferencialmente tenham sido enriquecidos com o processo de adubação. Em regiões litorâneas, costumam ficar muito mais vistosas do que na cidade urbanizada.

24. setembro 2013 por Steve Antonio Gomes
Categoria: Árvores | Tags: , |