Publicidade:


Flores e Plantas Que Sobrevivem ao Cultivo em Vasos e Terraços

Engana-se quem não quer ter em casa um jardim com plantas cultivadas em vaso, porque o único espaço permitido para elas é a sacada, e esta área possui muita incidência de ventos, o que poderia ocasionar o pouco ou nenhum desenvolvimento das plantas. Nas sacadas ou terraços, segundo diversos paisagistas e jardineiros, é possível sim ter plantas cultivadas em vasos. Há muitas opções de plantas que, se tratadas adequadamente, sobrevivem bem às rajadas e farta exposição solar. A falta de espaço é mera desculpa: painéis verdes horizontais e vasos suspensos surgem como alternativas bonitas e resistentes aos suportes de chão.

 

Uma espécie que é muito recomendada pelos paisagistas e que pode ser planta ideal para locais onde há muita incidência de ventos e muito sol é a primavera ou Bougainvillea glabra. Planta que ao mesmo tempo é bonita e resistente, ela se adapta bem, inclusive, quando a varanda é toda envidraçada, o que é o caso de muita gente hoje nas grandes áreas urbanizadas.  O ideal é que sejam plantadas as mudas e em vasos que tenham entre 50 e 70 centímetros de altura, e a boca deve ser grande, dessa forma é possível garantir o bom desenvolvimento da raiz e das folhagens, e a manutenção precisa ser diária, ou seja, rega diária.

 

Em caso de viagens, deixe alguém responsável pela rega, caso a planta não receba água diariamente, ela não sobrevive. Em condições favoráveis, cresce rapidamente.

 

Outra ainda muito recomendada é a azaleia. Trata-se de uma espécie rústica, bonita, mas requer poda periódica para que a folhagem não fique com aspecto velho. A poda deverá ser realizada a cada três meses, que é o período que dura a terra do vaso. Use o adubo orgânico ou o fertilizante químico NPK. Para plantas de médio porte, o NPK 10 10 10 é o ideal.

 

Quem quer fugir do óbvio, uma boa saída são as árvores frutíferas, como as jabuticabeiras e pitangueiras, que pode sim, ser plantadas em vasos. São resistentes e frutificam nos vasos, dando um volume muito bonito ao pequeno jardim. Mas, há outras grandes variedades de plantas de médio porte que resistem à ação do sol, além dessas.

 

Lembre-se de que ao criar o paisagismo em varandas e sacadas é importante a busca pelo equilíbrio, fazendo uma boa composição entre cores e tipos de plantas. Procure ainda não misturas espécies que demandem cuidados muito adversos, isto minimiza os trabalhos e cuidados com o jardim.

12. fevereiro 2015 por Steve Antonio Gomes
Categoria: Flores, Plantas, Vasos | Tags: , , , |


Faça Um Jardim Com Plantas de Baixo Custo e Pouca Manutenção

Quem quer ter um jardim em casa não precisa investir nem muito dinheiro nem muito tempo no cultivo de plantas que demandem muito trabalho. Gostar de plantas é uma prerrogativa humana e elas devem ser cada vez mais cultivadas nesses nossos tempos. Ter contato com o verde é essencial para ter uma vida mais calma e repleta de equilíbrio. E, não é preciso se estressar, há boas dicas de cultivo de plantas de baixo custo e que exigem pouca manutenção, em particular para aqueles que dispõem de pouco tempo.

 

O cultivo de jardins de fato oferecem muitos benefícios: a vegetação ajuda a controlar a temperatura urbana, deixando as casas mais frescas, mesmo quando não há árvores; as plantas retardam a chegada da água da chuva ao chão diminuindo inundações e melhoram o conforto acústico, já que tendem a minimizar os ruídos típicos da cidade. Além disso, a prática da jardinagem pode ser terapêutica, o que diminui o estresse diário, sem contar que os vegetais ainda retêm uma parte da poeira, minimizando alergias constantes, além de oferecer abrigo e alimento para uma grande diversidade de espécies.

 

A regra de que jardins são custosos, pode não ser verdadeira, em especial para os que se dispõem a por a mão na massa. Os jardins são criados de forma artificial e, dessa maneira é fazendo as escolhas mais assertivas que se minimizam os custos e o trabalho que se tem com um jardim.

 

A dica é quanto mais semelhante ao ambiente natural forem colocadas no jardim, menos custo e trabalho ele vai dar. O grande segredo é escolher a planta certa para o lugar certo. Isso quer dizer que, para locais quentes, as espécies mais indicadas são as resistentes ao calor e, em regiões frias, devem ser cultivadas variedades chamadas de frias.

 

Quem tem luz e não tem sol, não tente plantar uma espécie que precise de luz direta. Ela não irá sobreviver. Se o espaço é pequeno, o ideal é não cultivar uma árvore de grande porte que exija podas de contenção. E se a sacada tem muito vento, procure as flores e folhagens que sejam tolerantes a este tipo de ambiente.

 

Dessa forma, seguir a regra básica da jardinagem vai promover o crescimento de um belo espaço verde em sua casa. Escolha, portanto, plantas que se adaptem bem a luminosidade local, que tenham hábitos de crescimento regulares, bem como longevidade, não dá para investir em plantas novas todos os meses.

10. fevereiro 2015 por Steve Antonio Gomes
Categoria: Jardim, Plantas | Tags: , , , |

Dicas Para Fazer Um Jardim Barato

Quem quer ter um jardim em casa e não deseja fazer grandes investimentos nem com tempo nem em dinheiro, precisa seguir algumas orientações básicas para fazer o cultivo. Todas as plantas para compor o jardim, seja ele, pequeno, médio ou grande, devem seguir um padrão clássico de jardinagem: além do gosto pessoal, as plantas devem se adaptar à luminosidade local, possuir um hábito de crescimento da espécie que seja compatível com o ambiente em que ela irá se desenvolver, bem como possuir uma manutenção fácil. Além disso, a questão da longevidade e das características de cada espécie precisa ser avaliadas, por exemplo, se elas exalam perfume, se são tóxicas ou se possuem espinhos.

 

O custo de um jardim sempre dependerá do tipo, do espaço que ele ocupará, e das plantas que serão cultivadas nele. Outra variável é em relação à grama, terra e substrato. É importante ainda acrescentar ao custo, a presença de vasos, bem como de outros acessórios que venham fazer parte da composição. Porém, se a escolha for assertiva, aos poucos – com paciência – o jardim vai se colorindo e apresentando o tão desejado verde, além de ir aos poucos reduzindo os custos. A escolha de mudas ainda pequenas, por exemplo, é uma estratégia para baixar os gastos, porque exemplares adultos ou de maior porte costumam ser sempre os mais caros.

 

Quem possui um quintal gramado, por exemplo, terá custos menores do que uma pessoa que vai investir na compra de vasos. Porém, a grama requer manutenção constante, devido às podas e regas, principalmente em comparação a variedades mais rústicas de outras plantas como os cactos e agaves, por exemplo. Por isso, vale primeiro fazer o cálculo do montante, sempre considerando o longo prazo. Não se esqueça também que será necessária a compra de uma cortadeira de grama, o custo médio de uma razoável, não sai por menos de R$ 250,00.

 

Também é sempre melhor fazer o plantio das plantas no chão, do que em vasos. Eles custam muito mais caro. Quem não tem outra alternativa, pode fazer o uso de recicláveis para a montagem dos vasos. São várias as opções, que vão desde vasos feitos com garrafas pet, até pneus velhos. Ficam bonitos e o custo pode ser zero.

 

Quando o espaço é limitado, o desenvolvimento das plantas é mais restrito. Ainda assim vale a pena, lembre-se de que o preparo do substrato deverá ser mais cuidadoso, a irrigação mais atenta e a adubação mais regular.

10. fevereiro 2015 por Steve Antonio Gomes
Categoria: Jardim | Tags: , , , |

Cultive Plantas Que São Resistentes ao Frio

Nem sempre belas flores e, belas folhagens devem ser diretamente associadas à primavera. No inverno, a natureza também tem a força – e não é difícil encontrar espécies de plantas que mostram todo o seu esplendor justamente nos dias frios e menos luminosos – para compor um belo cenário que enche de brilho os olhos humanos. Há espécies que se desenvolvem com exclusividade em épocas mais frias, bem como florescem melhor no inverno. Algumas espécies, inclusive, são até mais resistentes do que as flores e folhagens de primavera. Elas podem ser utilizadas em quase todos os ambientes, desde que sejam adequadas tanto para uso em jardins como a céu aberto, em vasos dentro de casa ou na forma de flores de corte, constituindo arranjos.

 

O que difere uma planta de inverno de uma de primavera é a quantidade luminosidade de que ela necessita para se desenvolver, elas são chamadas de plantas de dias curtos. Mas, como qualquer vegetal, planta, flores e folhagens precisam de alguns cuidados específicos. Mas podem ser cultivadas em qualquer tipo de jardim.

 

Plantas de dias curtos precisam de uma maior quantidade de rega que as demais, uma vez que a estação invernal costuma ser mais seca. No entanto, se o período estiver chuvoso, a dica é diminuir a frequência das regas, mantendo o solo sempre úmido, mas não encharcado.

 

A poda também precisa ser feita com mais critérios que nas demais plantas. As que vão florir no inverno ou no início da primavera não devem ser podadas muito antes do início da primavera, para não prejudicar o desenvolvimento das flores. O ideal é apenas remover folhas e galhos secos. Um exemplo clássico são as roseiras que apenas devem ser podadas no início de maio ou começo de junho, já que a floração acontece sempre entre julho e agosto.

 

A adubação também precisa de alguns cuidados. Deve ser feita de acordo com a necessidade de cada planta. Como o metabolismo dos vegetais se torna mais lento no inverno, o ideal é fazer a redução da quantidade de adubo sem deixar de oferecer insumos com fósforo e potássio. Nos meses frios, as plantas entram em estado de dormência, portanto, o crescimento é bem menor.

 

Também é recomendável que se faça a proteção do tronco inferior da planta, principalmente das que são mais sensíveis ao frio. As flores mais sensíveis devem ser cobertas com compostos orgânicos como lascas de madeira, musgos ornamentais e, até mesmo, esterco curtido, para evitar a perda de calor.

10. fevereiro 2015 por Steve Antonio Gomes
Categoria: Plantas | Tags: , , , |

Cultivar Cactos Pode Ser Mais Fácil do Que se Imagina

Plantados em vasos ou canteiros, os cactos são exuberantes, resistentes e podem ser cultivados em diversos tipos de jardins, bem como espaços e regiões, justamente por ser uma planta de alta resistência. Entretanto, é importante salientar que o cacto precisa de poucos cuidados, mas precisa. Ele, por exemplo, não pode ter o solo onde vive encharcado com água, pois caso isto aconteça há riscos de que ele venha a apodrecer. Veja algumas dicas de cultivo de cactos em diversos tipos de jardins.

 

A família das cactáceas é originária de locais com pouca incidência de chuva, normalmente desérticos, ou de áreas que sofrem grandes períodos de estiagem, com solos arenosos e/ou rochosos. Aqui no Brasil, os cactos são comuns em regiões de restingas da mata atlântica, no cerrado e na caatinga. Como são extremamente resistentes – sobrevivem à falta de água e às altas temperaturas, os cactos exigem pouca manutenção, pouca rega, além de pouca fertilização. Por conta disso, são muito usadas como plantas ornamentais nas grandes cidades, o que não impedem de ser bonitos, de florescerem e terem cores exuberantes.

 

Apresenta crescimento lento, espinhos os quais não são venenosos, mas que podem ferir, caso o manuseio não seja realizado de forma cuidadosa. Podem ser usados amplamente em jardins, já que, o que mais chama a atenção nos cactos é justamente os formatos de seus espinhos –  grandes e pontiagudos, ou pequeninos e numerosos, formando uma um tipo de penugem, bem como um formato escultórico. Segundo os especialistas, os espinhos dos cactos são resquícios de folhas existentes há centenas de anos e que sofreram adaptações aos ambientes, com a finalidade de regular a perda de água.

 

Também são plantas suculentas, ornamentais, e reservam água para a sobrevivência. Mesmo assim, são plantas que não podem ficar sem rega nem podem ter regas além do que é necessário. Todas as cactáceas devem ser regadas uma vez por semana ou a cada quinze dias, dependendo de sua espécie e ambiente em que estão sendo cultivadas.

 

A periodicidade com que devem ser regadas também depende do tamanho da planta – mas caso ainda haja dúvidas em relação à quantidade de água, a dica é verificar o substrato, se caso ele estiver seco, já é hora de fazer a rega, sempre em quantidade que não encharque a terra.

 

Os cactos devem ser cultivados a sol pleno, entretanto quem quiser cultivá-los dentro de caso, não há problema, já que se adaptam muito bem.

10. fevereiro 2015 por Steve Antonio Gomes
Categoria: Suculentas | Tags: , , |

Cuidados Com as Plantas Durante o Período de Férias

Para quem vai sair de férias e tem várias plantas ou pequenos jardins em casa, e não sabe o que fazer no período em que estiver longe, há algumas dicas que podem clarear a vida de quem não pode ou não quer pagar pelos serviços de um jardineiro que vá fazer os cuidados com as plantas. A primeira dica, antes de qualquer coisa é na hora de escolher as plantas que serão cultivadas em casa. É importante saber qual é o estilo de vida que cada um leva para não errar na escolha das plantas que vão compor o jardim, opte sempre pelas que resistem mais aos longos períodos de secura, ou seja, sem a necessidade de rega diária.

 

Os jardineiros e paisagistas ainda apontam o que fazer em cada uma das situações e ainda dão dicas para aqueles que não vão poder contar com a ajuda de ninguém.

 

A primeira dica é na hora de escolher as plantas que serão cultivadas em casa. O melhor é sempre optar por aquelas que resistem mais aos longos períodos de secura, ou seja, sem a necessidade de rega diária.

 

Plantas rústicas, com pouca exigência de solo e água, e com baixíssima incidência de pragas e doenças. Se a planta ficar muito tempo sem cuidados, ela até aguenta ficar sem água, mas não dá para combater algumas pragas que, possivelmente, podem atacar determinadas espécies de plantas. Nesse contexto, escolher plantas como as agaváceas, cactáceas e aizoáceas são as mais indicadas. Não costumam ter a necessidade de rega, muito menos de cuidados mais específicos. Outra alternativa, é apostar e investir em sistemas de irrigação, que não dependam de uma pessoa para fazê-lo funcionar. E estes sistemas de irrigação podem ser mais simples e baratos do que se possa imaginar.

 

Já para quem possui muitas plantas nas áreas externas, plantas em vasos ou jardineiras, podem ser plantadas com sistema de irrigação automático, muito comum hoje no mercado e encontrado em diversas lojas que comercializam material para jardinagem e paisagismo.

 

Vale ainda lembrar que, mesmo as plantas que são tidas como as ideais para os períodos de secura, não sobrevivem sem água por longos períodos. Tudo vai depender do ambiente – da umidade relativa do ar – das condições do solo, e da capacidade de retenção maior ou menor de água que cada planta possui. Então, a melhor saída é fazer escolhas por plantas que possam ser irrigadas com sistemas que não dependam da ação direta humana.

10. fevereiro 2015 por Steve Antonio Gomes
Categoria: Plantas | Tags: , , |

← Artigos anteriores

Novos artigos →